Tramontina: tradição e contemporaneidade em projeto na Serra

Pavilhão revitalizado integra projeto novo da Tramontina em Carlos Barbosa
Visão da entrada do CEIT Tramontina, em Carlos Barbosa (fotos Cristiano Cardoso, divulgação)

A Tramontina sempre consegue surpreender. Visitei recentemente em Carlos Barbosa, na Serra Gaúcha, o novo Centro Educacional Ivo Tramontina (CEIT), onde ocorreu no auditório um talk sobre Soluções para a Cozinha (tema de outro post mais adiante), com tempo para visitar a loja T Factory, onde encontramos no café o sinônimo de Tramontina, Clovis Tramontina, sempre um bom papo com alto astral. Mas o foco agora é o projeto do CEIT que se tornou obrigatório pela qualidade do projeto de uma dupla de arquitetos.

Fachada do prédio do CEIT Tramontina em Carlos Barbosa
Fachada do CEIT ao cair da noite (fotos Cristiano Cardoso, divulgação)

Fachada do CEIT em foto diurna

O pavilhão foi abraçado pela arquitetura de Ângela Burgel e Fabiano NeuhausArquitetura do CEIT

Com pouco mais de 5 mil metros quadrados de área total, o retrofit do pavilhão industrial da empresa hoje reúne recursos contemporâneos e, portanto, tecnológicos, junto a elementos do espaço original com aproveitamento criativo, como o piso de tacos de madeira aplicado nas paredes (ao fundo na foto abaixo). Simplificando, a sensação de amplitude combinada à incidência de luz natural transmite bem-estar a quem adentra o espaço central térreo do Centro Educacional Ivo Tramontina.

Praça coberta no CEIT
Praça coberta no CEIT

Esse efeito vai ao encontro do conceito de “praça coberta” pretendido pelos autores da proposta: o projeto arquitetônico é dos arquitetos Ângela Burgel e Fabiano Neuhaus, com execução do engenheiro Jean Lazzari, e a sinalização, da Zon Design, item importante não apenas para a funcionalidade, mas também para a composição visual dos ambientes.

Proposta de adotar o pavilhão

Ângela explica que a ideia inicial era construir uma edificação nova no local, mas na primeira visita ao pavilhão preexistente ficou claro o potencial do prédio, revitalizado e associado a uma ampliação projetada no entorno:

– Para surpresa dos clientes, apresentamos um estudo em que preservaríamos o pavilhão, incluindo o telhado e sua maravilhosa iluminação natural, assim como a volumetria externa e os elementos internos mais relevantes, e construiríamos os ambientes novos em estrutura metálica em steel frame. Depois do susto inicial, o cliente abraçou com entusiasmo a proposta.

Energia das cores e da natureza no interior do prédio
Energia das cores e da natureza marcam o projeto de interiores do CEIT

Natureza como parte do projeto

Como detalha Ângela, o conceito adotado foi o de uma “praça coberta”, que interconecta os diversos espaços, alguns nos mezaninos laterais, voltados para esse amplo espaço central que tem na construção original sheds (aberturas no telhado) mantidos, favorecendo iluminação e o fluxo vertical do ar. Assim, o projeto incluiu “espaços abertos”, com ventilação e iluminação naturais, e vegetação entre um ambiente fechado e outro.

– Esses três elementos, premissas do design biofílico (biofilia: amor à natureza; design biofílico: está presente em ambientes que satisfazem a nossa necessidade de conexão com a natureza), promovem o bem-estar, aumentam a produtividade e bom humor dos usuários da edificação – ressalta a arquiteta.

Passarela e rampa fazem as conexões e criam os caminhos
Passarela e rampa fazem as conexões e criam os caminhos

Solução sustentável

Claro que esses elementos indicam que conceitos sustentáveis estão presentes neste retrofit, além do próprio projeto adotar a construção preexistente. Nas áreas comuns da grande praça coberta, a climatização é feita por meio de um sistema inteligente de ventilação natural, com as condições internas monitoradas. O sistema gerencia a troca entre ar exterior e interior através de grandes ventiladores e dutos, assim como a abertura e fechamento das esquadrias e persianas externas. Somente os ambientes fechados contam com sistema de ar-condicionado.

Vista do fundo do térreo do CEIT
Vista do fundo do térreo onde está localizado o café do CEIT

Para entender melhor o prédio e os espaços funcionais

No térreo, de 2.960 metros quadrados, ficam a praça coberta com café, duas salas de aulas, consultórios médicos, área corporativa, cozinha para eventos, sanitários, academia/ ioga, fisioterapia, vestiários e foyer para auditório (preexistente).

As atividades previstas para o pavimento acima, de 1.680 metros quadrados, contam com cinco salas de aula (duas se convertem em miniauditório), salas de reuniões, biblioteca, oficina de informática, sanitários e espaço para ampliação.

Estacionamento para funcionários e áreas técnicas (subestação e minicentral de tratamento de água) estão localizadas no subsolo, de 490 metros quadrados.

Arquiteta Angela Burgel | 51 998425061
Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Mostra Morar Mais abre em Porto Alegre

De 25 de setembro a 10 de novembro, a Morar Mais abre...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *