Maison & Objet: Michael Anastassiades, designer do ano, mostra instalação de luminárias

Instalação de luminárias em sala escura na Maison & Objet
Em uma sala escura, luminárias farão alusão a planetas em movimento (foto Divulgação)

Na Maison & Objet que abre nesta sexta-feira em Paris, o designer do ano, Michael Anastassiades, pela primeira vez, apresentará todas as suas 16 Mobile Chandeliers juntas na Sixteen Acts, em um espaço escuro, as luzes, impulsionadas por motores, se moverão como planetas. O designer trabalhará simultaneamente com as vantagens e condições de escuridão e luz.

Michael Anastassiades e a luminária que criou para a Flos (Flos, Divulgação)
Michael Anastassiades e a luminária que criou para a Flos (Flos, Divulgação)

Quando Michael Anastassiades lançou a sua marca homônima em 2007, a primeira feira onde apresentou seus novos desenhos foi a Maison & Objet. Agora, retorna à feira como Designer do Ano, após o espaço de tempo que o transformou em um dos mais poéticos e prolíficos designers contemporâneos de iluminação.
Em seu trabalho, o designer nascido na ilha de Chipre, usa simples formas e volumes – uma esfera, uma linha, um círculo – para criar uma linguagem rica onde a incerteza e o desequilíbrio estão presentes. A simplicidade de seus projetos reflete o amor com que desenvolve o seu trabalho, algo que não é facilmente alcançado. Na opinião de Anastassiades, designers são responsáveis por criar relacionamentos e interações entre pessoas e objetos.
Depois de estagiar como engenheiro civil e fazer um mestrado em desenho industrial no Royal College of Art, o designer fundou o seu estúdio em Londres em 1994 e sua marca homônima em 2007. Embora mais conhecido por sua iluminação, ele tem projetado com o mesmo rigor e clareza em todos os campos: móveis para B&B Italia. Herman Miller e Cassina; copos para Lobmeyr; alto-falantes da Bang & Olufsen; um projeto público em Mint Street, Londres; um bebedouro para o Museu Victoria e Albert. Seu trabalho também pode ser encontrado em coleções permanentes no Museu de Arte Moderna em Nova York, o Art Institute of Chicago, Victoria & Albert Museum, Londres, a MAK em Viena, o Conselho de Artesanato em Londres e o Centro FRAC em Orleans, França.

O Mestre da Luz

Anastassiades acredita que, para projetar uma luz, primeiro é preciso abraçar a escuridão: não é necessário transformar noite em dia. Luzes para ele são um fonte de calor e o que mais o fascina é o brilho. Ao projetar uma luz, ele leva em consideração o fato de que a lâmpada estará apagada 80% do tempo, então ele trabalha para descobrir a relevância do objeto em seu estado mais constante – desligado. Na sua visão, uma lâmpada nunca é um objeto isolado porque precisa interagir com seu ambiente.

Outra proposta de luminária (foto Hélène Binet, Divulgação)
Outra proposta de luminária (foto Hélène Binet, Divulgação)

«To design a light one first has to embrace the darkness»

Ele foi atraído pelas qualidades poéticas da iluminação desde cedo, mas sabia que nenhuma empresa iria contratá-lo até que fosse reconhecido pelo seu trabalho. Em vez de desanimar, ele decidiu caminhar com as próprias pernas e começou a sua própria marca, isso deu a ele a chance de testar os limites e projetar sem compromissos. Quando ele começou a colaborar com Flos ele ganhou experiência e estava pronto para novos desafios. Lá, Michael tinha liberdade para inventar e podia contar com a experiência da empresa para experimentar com soluções e técnicas que até aquele momento ele não tinha acesso. A partir daí, os seus projetos tornaram-se mais ambiciosos.

«Lights are a source of warmth, and what fascinates me most is the glow »

Simplicidade Aparente

A quase obsessiva procura de Michael Anastassiades pela essência dos objetos o leva a uma simplicidade controversa: é preciso muito esforço para fazer algo parecer simples. A simplicidade incentiva a curiosidade, e a curiosidade leva à participação e interação, uma característica constante de todos projetos de Anastassiades. Um exemplo perfeito é o bebedouro The Fleet Drinking Fountain, que esconde o aspectos técnicos sem comprometer a estética e tornou-se mais uma experiência do que apenas um lugar para parar e encher uma garrafa.

«It takes a lot of effort to make something look simple »

Objetos Atemporais

Para Michael Anastassiades, a sustentabilidade é uma ideia perversa. Ele acredita firmemente que deveríamos cercamo-nos de objetos que durarão muito tempo, esse design não deve ser míope. Seu desejo é projetar a longo prazo e, de fato, seus objetos têm uma qualidade atemporal.

«For me, it is important to always show something different, make sure that what I design explores a new idea, uses new technology in a poetic way»

 

Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Talk sobre mídia na Casa Cor RS

Arquitetos querem ter seus projetos publicados, certo? Então vão se interessar por...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *