Federasul: expectativa otimista de crescimento do PIB em 2,7% para 2020

Presidente e vice-presidente da Federasul
Presidente Simone Leite e vice-presidente da Federasul, Fernando Marchet (foto Rosi Boninsegna, divulgação)
O vice-presidente da Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), Fernando Marchet, falando ao lado da presidente da entidade, Simone Leite, ressaltou o otimismo com a economia nacional não apenas para 2020, mas para 2021 também.
Somos otimistas e, apesar dos altos e baixos da economia, o Brasil deve ter um bom desempenho, o que deve se repetir ainda em 2021. Se o Brasil seguir com essa estratégia econômica, acreditamos que o PIB (Produto Inteerno Bruto) chegue a 2,7% em 2020 e 3,5%, em 2021 – disse Fernando Marchet, em apresentação aos jornalistas nesta quinta-feira, no almoço de final de ano da Federasul.
No panorama internacional, Fernando Marchet ressaltou que 2020 começa marcado por dois importantes acontecimentos globais: “Guerra” Comercial EUA x China e a saída do Reino Unido, da Zona do Euro (Brexit).
Para o próximo ano, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que representa a inflação oficial brasileira deve chegar a 3,8%. Os juros bancários, que foram reduzidos pelo COPOM (Conselho de Política Monetária), do Banco Central, para 4,25%, irão crescer no ano que vem (5%) e também em 2021 (6,5%).
Não há dúvidas, na visão de Marchet, que o desempenho do PIB em 2019 e 2020 será impactado pela Reforma da Previdência. Segundo o economista “ela[reforma] será responsável pela economia dos gastos públicos em R$ 800 bi até o fim da próxima década (20/30). E de R$ 3,2 trilhões (economia de 400%) para um horizonte de 20 anos (30/40) ”, afirmou.
A presidente, Simone Leite, afirmou que em 2019 a entidade esteve mobilizada e participou de muitas decisões que permitiram tornar o ambiente de negócios mais amistoso. Reconheceu o protagonismo dos agentes públicos que permitiram as reformas e, com isso, a criação de um ambiente estável para o empreendedor.
Na visão política, a presidente espera que o foco do Governo Federal seja a modernização tributária, o Pacto Federativo -, que segundo estudos, projetam uma injeção de R$ 450 bi nos próximos 15 anos para Estados e municípios brasileiros -, bem como a extinção de 1000 municípios que são financeiramente insustentáveis.
No cenário gaúcho, a Federasul aposta num crescimento superior a 2% e, assim como no Federal, o Governo do Estado deve focar na Reforma Administrativa. Na visão de Simone Leite, “não é possível que o RS gaste mais de 80% só com folha de pagamentos”. Ela recordou que a Entidade concordou com a renovação, até 2020, da majoração do ICMS, mas lembrou que “a classe empresarial está dando, há muito tempo, todo o seu sangue. Há a necessidade de outros setores e corporações também se comprometerem com a redução do gasto público, em prol de uma economia pujante e que traga o protagonismo do Rio Grande do Sul, como sempre foi”, afirmou.
Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Arquitetura de Cidades Globais: masterclass com Mario Figueroa

A ICON, galeria exclusiva Jader Almeida, localizada em Florianópolis e Balneário Camboriú...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *