Projeto de escola sustentável representa primeira vitória brasileira em 12 anos de Prêmio Internacional RIBA

O escritório brasileiro Aleph Zero, dos arquitetos curitibanos Gustavo Utrabo e Pedro Duschenes, venceu o Prêmio Internacional RIBA (Royal Institute of British Architects) neste ano pelo projeto Moradias Infantis, em Formoso do Araguaia (TO), elaborado em parceria com o designer Marcelo Rosenbaum e a sócia dele, a arquiteta Adriana Benguela, que assina o trabalho como responsável técnica.

O reconhecimento é concedido a cada dois anos para um edifício que exemplifique a excelência do projeto e a ambição arquitetônica, além de proporcionar um impacto social significativo. É um dos prêmios de arquitetura mais rigorosamente julgados do mundo, com todos os edifícios de uma longa lista visitados por um grupo de especialistas internacionais. O anúncio ocorreu no dia 20 de novembro e o complexo foi escolhido por um grande júri presidido pela renomada arquiteta Elizabeth Diller (DS + R).

Em 12 anos de existência do prêmio internacional, é a primeira vez que brasileiros são laureados. Paulo Mendes da Rocha recebeu em 2017 a RIBA Gold Medal, mas fora do prêmio. Na opinião do presidente do RIBA, Ben Derbyshire, o projeto Moradias Infantis oferece um ambiente excepcional projetado para melhorar a vida e o bem-estar das crianças da escola. “Ele ilustra o valor imensurável do bom projeto  educacional”, completa.

O prédio oferece alojamento para 540 crianças entre os 13 e os 18 anos que frequentam a Escola de Canuanã. Os alunos vêm de áreas remotas do país, alguns viajando muitas horas de barco. Financiado pela Fundação Bradesco, o Moradias Infantis é uma das quarenta escolas administradas pela entidade, que oferece educação para crianças em comunidades rurais em todo o Brasil.

Para os autores do projeto, o trabalho mostra como a arquitetura pode ser uma ferramenta de transformação social. Eles trabalharam de perto com as crianças para identificar as necessidades delas e desejos para a escola. Os arquitetos queriam criar um ambiente que pudesse ser uma casa longe de casa, onde os estudantes pudessem desenvolver um forte senso de individualidade e pertencimento.

Cobrindo uma área de quase 25 mil m2, o Moradias Infantis é organizado em dois blocos idênticos: um para meninas e outro para meninos. As residências estão centradas em torno de três pátios amplos, abertos e bem sombreados ao nível do solo, onde a acomodação do dormitório está localizada. No primeiro andar, há espaços comuns flexíveis que vão desde espaços de leitura e salas de televisão até varandas e redes, onde as crianças podem relaxar e brincar. Para Rosenbaum e Benguela, “o espaço facilita a interação entre o público e o privado, e a socialização entre o coletivo, a natureza e o indivíduo, reconectando crianças e jovens às suas origens e ao ecossistema circundante”.

Sem necessidade de ar condicionado

O ecossistema em torno do complexo – particularmente o clima tropical, onde as temperaturas chegam a meados dos anos 40 no verão – foi um dos principais desafios inteligentemente abordados pelos arquitetos. O grande telhado,  cuja estrutura é composta de vigas e colunas de madeira laminada cruzada, fornece sombreamento. O projeto de dossel suspenso criou um espaço intermediário, entre o interior e o exterior, dando o efeito de uma grande varanda com vista para a paisagem circundante e criando um ambiente confortável sem necessidade de ar condicionado.

O edifício é construído com recursos locais e baseado em técnicas da região. Blocos de terra feitos à mão no local foram usados para construir as paredes e treliças, escolhidos pelas propriedades térmicas, técnicas e estéticas. Além de ser rentável e ambientalmente sustentável, esta abordagem cria um edifício com fortes ligações ao meio e à comunidade que serve.

Entre os prêmios que o projeto da Aleph Zero ganhou  anteriormente estão o Prêmio APCA 2017, da Associação Paulista dos Críticos de Arte, na categoria Obra de Arquitetura no Brasil, o 5º Prêmio Saint-Gobain de Arquitetura – Habitat Sustentável, o Prêmio ArchDaily Building Of The Year 2018, na categoria Melhor Edifício de Arquitetura Educacional do mundo e o Prêmio de Arquitetura Tomie Ohtake AzkoNobel.

Informações e fotos: Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, Reprodução

Tags da matéria
, ,
Mais de Equipe eleoneprestes.com

Exposição mostra gravuras em metal de 100 artistas em Porto Alegre

Mais de 100 artistas que participaram do projeto “Artista Convidado do Ateliê...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *