Iberê Camargo – O Fio de Ariadne será exposta no Instituto Tomie Ohtake

Obra de Iberê Camargo
Obra de Iberê Camargo (Foto: Marcos Nagelstein/ Agência Preview/divulgação)

A mostra revela 36 cerâmicas e oito tapeçarias de grandes dimensões, obras do maestro gaúcho Iberê Camargo que não são expostas há cerca de 40 anos e que estão em coleções públicas e particulares no Brasil e Portugal. O Fio de Ariadne poderá ser visitada em São Paulo, no Instituto Tomie Ohtake, a partir de 13 de março. Até o dia 28 de fevereiro está no ar na Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre.

 Fundação Iberê inicia então 2021 expandindo sua presença no Brasil, a partir do Instituto Tomie Ohtake. Essa exposição tem curadoria de Denise Mattar e Gustavo Possamai. Acompanham a mostra cartões e gravuras e uma linha do tempo em referência à urdidura feminina que apoiou o trabalho do pintor ao longo de sua história.

A itinerância é fruto da relação profissional de longa data entre Emilio Kalil, diretor-superintendente da Fundação Iberê, e Ricardo Ohtake, filho de Tomie Ohtake e presidente do Instituto que leva o nome da artista. Nascido em Bagé, Kalil viveu 40 anos fora do Rio Grande do Sul. Dirigiu instituições culturais em Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro, onde também foi secretário de Cultura da capital fluminense. Ao retornar a Porto Alegre para assumir da Fundação, em 2018, trouxe exposições de artistas de reconhecimento internacional como Cecily Brown, Louise Bourgeois, Wesley Duke Lee, Daniel Senise, José Bechara, Grupo de Bagé e Maxwell Alexandre.

O Fio de Ariadne – Durante as décadas de 1960 e 1980, além de sua intensa produção em pintura, desenho e gravura, Iberê Camargo realizou trabalhos em cerâmica e tapeçaria. Eles respondiam a uma demanda do circuito de arte, herdada da utopia modernista que preconizava o conceito de síntese das artes; uma colaboração estreita entre arte, arquitetura e artesanato. Com assessoria técnica das ceramistas Luiza Prado e Marianita Linck, o artista realizou, nos anos 1960, um conjunto de pinturas em porcelana com resultados surpreendentes. Na década seguinte selecionou um conjunto de cartões que foram transformados por Maria Angela Magalhães em impactantes tapeçarias.

A mostra é complementada por uma cronologia ilustrada, apresentando algumas das mulheres que marcaram presença na vida de Iberê, por meio de fotos, biografias e depoimentos: a esposa Maria Coussirat Camargo; as artistas Djanira, Regina Silveira e Maria Tomaselli; a tapeceira Maria Angela Magalhães; as ceramistas Luiza Prado e Marianita Linck; as gravadoras Anna Letycia, Anico Herskovits e Marta Loguercio; a escritora Clarice Lispector; a galerista Tina Zappoli; a produtora cultural Evelyn Ioschpe; a cantora Adriana Calcanhotto e a atriz Fernanda Montenegro.

O Fio de Ariadne pode ser visitada até o dia 28 de fevereiro (domingo), na Fundação Iberê. Em função da pandemia do coronavírus, as visitas ocorrem de sexta a domingo, das 14h às 19h, com última entrada às 18h. O agendamento deve ser feito pelo site do Sympla, no link https://bileto.sympla.com.br/event/66447/d/88776

Sobre o Instituto Tomie Ohtake
Inaugurado em novembro de 2001, o Instituto Tomie Ohtake destaca-se por ser um dos raros espaços da cidade de São Paulo especialmente projetado, arquitetônica e conceitualmente, para realizar mostras nacionais e internacionais de artes plásticas, arquitetura e design. Em homenagem à artista que lhe dá o nome, o Instituto desenvolve exposições que focalizam os últimos 60 anos do cenário artístico, ou movimentos anteriores que levam a entender melhor o período em que Tomie vem atuando, organizando mostras inéditas da produção nacional e internacional, como Louise Bourgeois, Josef Albers, Yayoi Kusama, Salvador Dalí, Joan Miró, Yoko Ono, Julio Le Parc, entre outras.

Além de um programa de exposições marcante na cena cultural brasileira e que se desdobra em outras atividades como debates, pesquisa, produção de conteúdo, documentação e edição de publicações, o Instituto Tomie Ohtake desenvolve, desde a sua fundação, ampla pesquisa no ensino da arte contemporânea. Foi pioneiro na criação de novos processos para a formação de professores e de alunos das redes pública e privada, além de realizar uma série de atividades dirigidas ao público em geral e projetos de estímulo ao desenvolvimento da produção contemporânea. Completa o seu conjunto de atuação, um inédito programa de acessibilidade para repensar questões como acesso à cultura e diversidade, com foco no atendimento de públicos que não têm garantidos seus direitos sociais.  

Serviço

O que: Exposição O Fio de Ariadne
Quando: De 13 de março a 23 de maio de 2021. De terça a domingo, das 12h às 17h – entrada franca

Medidas de segurança: obrigatório uso de máscara / Medição de temperatura / Tapetes sanitizantes / Álcool em gel disponível em diversos pontos / Distanciamento mínimo de 1,5m entre os visitantes / controle de público, de 2 a 10 pessoas, dependendo da sala / percurso único / guarda-volumes desativado.

Instituto Tomie Ohtake
Avenida Faria Lima 201 (Entrada pela Rua Coropés 88) – Pinheiros SP
Metrô mais próximo – Estação Faria Lima/Linha 4 – amarela
Fone: 11 2245 1900

A Fundação Iberê tem o patrocínio de OleoPlan, Itaú, Grupo Gerdau, CMPC – Celulose Riograndense, Vero Banrisul, Lojas Renner, Sulgás, Renner Coatings, Dufrio e Instituto Unimed Rio Grande do Sul, apoio de Unifertil, Dell Tecnologies, DLL Group, Viação Ouro e Prata, Laguetto Hoteis, Nardoni Nasi e Isend, com realização e financiamento da Secretaria Estadual de Cultura/ Pró-Cultura RS e da Secretaria Especial da Cultura – Ministério da Cidadania / Governo Federal. A exposição “Pardo é Papel” é realizada pelo Instituto Inclusartiz com patrocínio do Grupo PetraGold.

Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Design 2020: a italiana Henge lança móveis, tapetes e luminárias

Milan Design Week não ocorreu este ano, mas as grifes não deixaram...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *