Arquitetura efêmera: instituto Bardi inaugura estrutura temporária na Casa de Vidro

A Casa de Vidro do Instituto Bardi ganhou uma estrutura temporária projetada para receber eventos até o final de março, o primeiro pavilhão de verão do espaço. A instituição tem o objetivo de ativar outros ambientes da casa enquanto recebe a exposição Sonia Gomes – Ainda assim me levanto, realizada em parceria com o Museu de Arte de São Paulo (Masp), que ocupa o salão principal. Instalado no jardim, o pavilhão temporário tem capacidade para até 220 convidados e irá receber diversos programas culturais.

Apresentações de música e dança, palestras de arquitetura, arte e design, cursos de desenho, jardinagem e até ações relacionadas à gastronomia integram a programação do ambiente. Projetado pela arquiteta Sol Camacho, o pavilhão foi primariamente inspirado nos desenhos de estruturas efêmeras, assim como outros projetos de Lina Bo Bardi, como o restaurante Coaty, localizado em Salvador.

Ensaio da cantora Maria Bethânia na Casa de Vidro (Foto: Simon Plestenjak)

As linhas orgânicas da estrutura são fruto de um cuidadoso estudo das árvores que o rodeiam, do acesso ao ateliê e da rampa de pedra sobre a qual se apoia. Enquanto segue as possibilidades oferecidas pelo jardim, o pavilhão cria novas relações com a arquitetura e uma maior proximidade com as árvores. “Lina concebeu e desenhou a casa em interação total com a natureza. Ela criou, plantou e cuidou do jardim da Casa de Vidro por quatro décadas. O jardim e a casa se complementam. O pavilhão tinha que seguir essa ideia”, revela Camacho.

A ideia dos pilares pretos foi misturá-los com as árvores, sustentando a cobertura de madeira, que também segue a lógica de mesclar-se com o contexto. Embora a estrutura do pavilhão pareça ser “low tech”, há muita tecnologia envolvida no processo. O formato foi viabilizado graças ao material: Cross Laminated Timber (CLT), que é a tecnologia de construção que utiliza placas formadas por três camadas de madeira certificada com infinitas possibilidades formais, muito utilizada nos Estados Unidos e Europa.

Projeto do pavilhão (Imagem: Divulgação Instituto Bardi)

Esse material é flexível, adaptável, de fácil uso e rápida montagem. Ele foi cortado em uma grande máquina router de CNC, em um leito de 18×6 metros, e instalado através de uma grua de 20 metros de comprimento por um time de carpinteiros coordenados pelo engenheiro Alan Dias, da Carpinteira. O processo de construção levou menos de duas semanas. “A Casa de Vidro é uma das poucas instituições culturais que discute, exibe e promove o debate sobre arquitetura contemporânea. A ideia de construir o pavilhão com CLT teve a clara intenção de trazer a conversa sobre novos materiais e possibilidades de construção no contexto brasileiro”, ressalta Camacho.

O desenho, que enquadra a casa, e a escolha de material foram também pensados dentro do contexto de preservação do patrimônio. A Casa de Vidro é tombada como patrimônio por todas as três instâncias competentes desde 1986. “O pavilhão é uma intervenção temporária na Casa e sua temporalidade é uma parte importante do projeto. A inauguração da arquitetura efêmera foi um grande sucesso, com o primeiro evento de arrecadação de fundos realizado pelo Instituto onde Maria Bethânia cantou para um público de 250 convidados”, afirma Sonia Guarita, presidente do conselho de administração do instituto.

Mais de Equipe eleoneprestes.com

Arquiteta cria escritório de advocacia com ambientes modulares, funcionais e sustentáveis

Duas salas de trabalho e uma sala de reunião se transformam em...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *