Maison et Objet: talento poético

MOJ18_ElettraByFedericaBiasi_Mingardo-eleone-prestes
Elettra by FedericaBiasi - Mingardo

Federica Biasi é um dos seis jovens talentos italianos indicados por Andrea Branzi, um dos seis mentores do projeto Rising Talents dentro da Maison&Objet de janeiro de 2018, que abre na próxima sexta-feira em Paris e se estende até 0 dia 19 de janeiro.

– Eu escolhi Federica Biasi por seu design de excelência e pelas ideias poéticas, que fornecem mensagens sutis, mas muito particulares – diz Andrea Branzi, seu mentor.

Rising Talents

Tradicionalmente a M&O apresenta os designers nomeados como Rising Talents, momento mais aguardados para caçadores de talentos e observadores de tendências. Desta vez, os Rising Talents serão todos da Itália, um país onde uma nova geração está novamente encontrando sua voz no design. Após alguns anos sem grandes acontecimentos, mudanças estão começando a acontecer. Designers comprometidos estão marcando sua identidade, provando sua capacidade de se conectar à artesãos locais num nível de excelência incomparável e trazendo um novo impulso ao design. Uma pequena revolução que está restaurando o status da Itália como uma referência de design expressivo no mundo todo.

Os seis mentores, figuras influentes da indústria do design, foram chamados para nomear cada um o seu indicado como Rising Talent: Andrea Branzi, Piero Lissoni, Luca Nichetto, Giulio Cappellini, Rossana Orlandi e Rosita Missoni escolheram os talentos mais promissores de hoje. Os mentores estavam determinados a celebrar o trabalho de jovens anônimos, que receberam a notícia com grande surpresa. Federica Biasi, Antonio Facco, Marco Lavit Nicora, Kensaku Oshiro, Federico Peri e Guglielmo Poletti são os escolhidos.

Designer_Federica Biasi (Andrea Olivo, divulgação)
Designer Federica Biasi (Andrea Olivo, divulgação)

Federica Biasi

Graduada em 2011 pelo Instituto Europeo di Design, Federica Biasi (1989) trabalhou com várias empresas de design em Milão até 2014, quando decidiu se mudar para Amsterdã para aprimorar seu estilo e completar seus projetos, em grande parte inspirados nas linhas simples de design do norte da Europa. No seu regresso à Itália, trabalhou como Diretora de Arte para Mingardo ao mesmo tempo em que colaborava como consultora criativa de diversas marcas, incluindo Fratelli Guzzini. Além de seu trabalho de consultoria para marcas específicas, concentrando-se principalmente em paletas de cores, materiais
e acabamentos, ela também cria peças de cerâmica, itens decorativos e produtos têxteis como forma de celebrar a excelência do artesanato italiano.

Conheça um pouco da designer, que falou para Maison&Objet:

Federica Biasi escolheu contar a história da sua própria experiência criativa, com uma seleção de produtos icônicos do passado, revisados com o uso de materiais inesperados, bem como uma série de objetos exclusivos projetados especialmente para a ocasião. Entre eles: uma coleção de talheres de faiança, com motivos pintados à mão por Christian Pegoraro (Bottega Nove) e um tapete projetado em colaboração com CC-TAPIS, inspirado em uma noite que ela passou no deserto, que associa tons terrosos com padrões de tecido norte-africanos. Sua exposição será totalmente enquadrada por uma estrutura metálica criada por Mingardo.

MAISON&OBJET: Qual é a sua relação com Andrea Branzi, seu mentor?

FB: Ele é o mestre e eu sou a aluna. Mesmo que não nos conheçamos pessoalmente, estudei seu trabalho, vi suas exposições, segui as aulas que ele deu. O fato de ele me escolher, me deixa muito orgulhosa. Tenho um imenso respeito pelo seu trabalho. Eu até notei algumas semelhanças na forma como cada um de nós se aproxima de um projeto. Lembro-me de uma vez ele ter referenciado Oscar Wilde em uma entrevista: “Vivemos em um momento em que a única necessidade que temos é para o supérfluo”. Ou quando ele disse: “Todas as grandes sociedades humanas se desenvolveram investindo a maior parte de sua energia em campos aparentemente supérfluos como arte, música, poesia e beleza”.

Minha abordagem ao design é muito mais emocional do que funcional. No mundo em que vivemos, onde nunca há tempo para nada e estamos cada vez mais cansados e insensíveis, estou tentando me reconectar com a nossa natureza humana. Eu sinto que isso é realmente o que Andrea Branzi e eu temos em comum.

M&O: Quais são as suas expectativas para esta edição da MAISON&OBJET?

FB: Estou esperando descobrir algo que me deixará completamente surpresa, algo que nunca foi postado em Pinterest ou Instagram. Preciso ver conceitos novos. Mas o mais importante, eu realmente desejo que todas as grandes marcas de design, líderes do mercado, comecem a apoiar designers novos, da mesma forma que o prêmio Rising Talents faz, nos dando a oportunidade de nos expressar.

M&O: Três palavras que definem o seu trabalho:

FB: Emoção, pesquisa e elegância.

Adorei a entrevista da Federica. Espero que nos encontremos pessoalmente na Maison et Objet (eu prefiro escrever assim, com et,  mas às vezes cedo à Maison&Objet, como já expliquei).

Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Koh Pee Pee House: novo espaço de eventos

Será inaugurada nesta quinta-feira, a partir das 18h30, a nova Koh Pee Pee...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *