Arquiteto Pietro Terlizzi transforma casa em café, coworking e galeria de arte em Araraquara

Uma casa bem característica do interior paulista, em Araraquara, ganhou vida nova como um espaço multifuncional: o Soul Café + Coworking, que abriga uma cafeteria, espaços de trabalho compartilhados e galeria de arte. O arquiteto Pietro Terlizzi, que comanda o escritório Pietro Terlizzi Arquitetura, em São Paulo, assina o projeto de reforma que transformou a antiga residência, lar de uma família por muitos anos, em um espaço gastronômico, corporativo e artístico, que também possui estrutura para eventos.

“O conceito do Soul Café + Coworking é criar um ambiente com várias funções, aberto a diversos tipos de eventos e, principalmente, um local onde as pessoas possam trocar informações, seja as que estão lá para aproveitar a infraestrutura gastronômica, para trabalhar ou até mesmo para conferir os quadros da galeria”, conta Pietro.

O ponto principal do projeto foi preservar a maior parte possível da edificação e acrescentar elementos para o novo uso que se diferenciassem dos materiais originais. “Seguimos o conceito de restauro, onde quem vê a obra finalizada consegue distinguir o que é antigo e o que foi feito recentemente”, explica o arquiteto.

Para isso, foram adicionados móveis metálicos ou com cores e tecidos modernos, peles de vidro e diversos tons de cinza, em contraste com os tijolos aparentes e o piso em pedra Goiás. As esquadrias e o forro do telhado, em madeira, são materiais originais da construção. Para a conservação das paredes, toda a parte de elétrica e iluminação foi trabalhada com condutores aparentes.

A edificação original tem uma boa quantidade de janelas e aberturas, o que torna os ambientes bem iluminados e frescos por conta da ventilação cruzada – aspectos muito importantes para uma cidade com altas temperaturas. Os beirais generosos do telhado também ajudam a bloquear a incidência direta do sol nos horários em que ele está mais baixo.

O térreo é destinado à cafeteria e oferece mesas com tomadas, iluminação e wifi – atributos que permitem usar o espaço também para trabalhar. Ainda nesse andar, encontra-se uma sala para reuniões mais informais ou, até mesmo, para almoços e eventos em grupo. O balcão da cafeteria, um dos principais elementos do projeto, tem tampo em madeira de demolição de peroba rosa, revestimento estilo subway tiles em branco e rodapé de inox.

O primeiro andar abriga o coworking. As estações de trabalho contam com janelas amplas, mobiliário corporativo e iluminação direcionada com pendentes e spots. Na parede mais extensa da edificação, localizada na entrada, fica a galeria com obras de arte urbana. O intuito é fomentar a cena artística da cidade e região. Na área externa arborizada, onde os clientes da cafeteria podem aproveitar o verde, também é possível realizar eventos e palestras.

Mais de Equipe eleoneprestes.com

ArchDaily lista seis escritórios brasileiros de arquitetura entre os melhores do mundo

Seis escritórios brasileiros fazem parte de uma seleção dos melhores arquitetos contemporâneos...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *