Irmãos Campana: Jardim Suspenso na Casa de Vidro

Exposição Jardim Suspenso, dos Irmãos Campana, na Casa de Viidro
Instituto Bardi recebe instalação e exposição de miniaturas de Fernando e Humberto Campana (fotos Divulgação)

O Estudio Campana comemora 35 anos de história em dose dupla na chamada Casa de Vidro, o Instituto Bardi, com uma instalação, Jardim Suspenso, e o lançamento da edição limitada de 10 miniaturas da coleção Desconfortáveis. Dia 15 de agosto abre à visitação pública (veja horários abaixo); para convidados, ocorreu evento dia 10. A instalação, feita de colunas recobertas por piaçava, e a exposição, de pequeninas cadeiras de ferro, ficam abertas ao público até 20 de setembro. O patrocínio master é da Firma Casa, representante das peças do Estudio no Brasil, e o patrocínio, da Amazônia Móveis.

Instalação no Instituto Bardi, a Casa de Vidro

Essa escolha da Casa de Vidro, sede do Instituto Bardi, para celebrar este momento faz todo sentido. A residência de Lina Bo Bardi, projetada por ela, grande referência dos irmãos Campana, agora acolhe a obra da dupla. Lina morou nela com o marido, Pietro Maria Bardi. Inspirados na beleza do jardim ao redor da casa, criaram um conceito para uma instalação que traz a natureza para dentro da arquitetura, contrapondo o espaço interno com o externo; o construído e o natural.

A instalação, formada por colunas cobertas de piaçava, foi produzida pela Amazônia Móveis, parceira do Estudio Campana, especialista em tramados e fibras naturais. Coincidiu com os 25 anos da Firma Casa, representante exclusiva das peças Campana em São Paulo.

Irmãos Campana no Instituto Bardi

Coleção Desconfortáveis: Edição Miniaturas

A coleção Desconfortáveis foi criada no fim dos anos 1980 a partir de uma inquietação dos irmãos Campana de procurar uma linguagem genuinamente brasileira. O processo criativo foi altamente intuitivo, explorando o tema da distopia de maneira poética, livre e despreocupada ao mesmo tempo em que questionava as raízes do Brasil.

As peças de ferro destacavam a imperfeição e deixavam a construção exposta, criando uma estética artística expressiva, escultural, trazendo um discurso irônico, rebelde, um grito de liberdade num momento em que o país saía da ditadura.

Desconfortáveis surgiu de uma catarse após um acidente de bote que Humberto Campana sofreu no Rio Colorado em 1988, quando ficou preso em um redemoinho que quase o matou. Poucas horas mais tarde criou o desenho da espiral que foi a base da cadeira Positivo, feita em ferro com um maçarico de fogo, na sua volta ao Brasil.

A partir das sobras dessa cadeira, Fernando Campana construiu a Negativo. Outros vinte designs foram criados posteriormente e expostos na galeria Nucleon 8 na Vila Madalena, em 29 de junho de 1989. A receptividade do público foi curiosa e gradual pois o conceito de uma cadeira desconfortável era algo bastante inusitado. Hoje elas são peças únicas de coleção presentes em vários países, e muito raras no mercado.

Este lançamento da edição limitada de miniaturas é um momento especial porque resgata o início da trajetória dos irmãos Campana. E também celebra os 30 anos dessa coleção, refletindo sobre as inquietações que deram origem ao que viria ser a primeira colaboração de muitas entre Humberto e Fernando e que alcançariam reconhecimento internacional poucos anos depois.

As miniaturas estão disponíveis em 10 modelos diferentes para compra por meio do Instituto Campana no e-mail info@institutocampana.org.br . Toda a renda obtida com as vendas das peças será revertida para os projetos sociais do instituto.

Serviço

O que: Instalação Jardim Suspenso – Irmãos Campana e exposição Desconfortáveis

Onde: Instituto Bardi / Casa de Vidro – Rua General Almerio de Moura, 200 – Morumbi – São Paulo

Quando: Visitação pública de 15 de agosto a 20 de setembro de 2019. De quintas a sábados, nos seguintes horários: 10h, 11h30, 14h e 15h30min

Quanto: Ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (estudantes, professores, terceira idade e Amigos MASP)

Informações: (11) 3744-9902

Sobre a Casa de Vidro

Considerada ícone da arquitetura moderna no Brasil, a Casa de Vidro foi o primeiro projeto construído da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi. O loteamento da antiga Fazenda de Chá Muller Carioba, na região do Morumbi, em São Paulo foi o local escolhido para construção, iniciada entre 1950 e 1951.

A Casa de Vidro, residência do casal Lina Bo e Pietro Maria Bardi por mais de 40 anos, ganhou este nome por sua fachada imponente de vidro que parece flutuar sobre pilares.

Casa de Vidro
Casa de Vidro

O jardim da Casa de Vidro, que ocupa uma área de 7.000 m2, expressa o amor do casal pela riqueza natural brasileira. Cuidadosamente planejado e plantado pela própria Lina, a vegetação rasteira da época transformou-se em floresta particular, com trilhas decoradas com pedras e cacos de cerâmica.

Além de marco arquitetônico, a Casa de Vidro tornou-se ponto de encontro de artistas, arquitetos e intelectuais. Grandes nomes Max Bill, Steinberg, Gio Ponti, Calder, John Cage, Aldo van Eyck e Glauber Rocha encontravam na residência do casal Bardi o espaço ideal para discussões culturais, ideológicas e sociais.

A Casa de Vidro constitui espaço de pesquisa e troca de ideias entre pesquisadores, profissionais e estudantes do Brasil e do exterior. Tombada pelo CONDEPHAAT em 1987, hoje abriga a sede do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi que tem como objetivo promover e divulgar a arquitetura, design, urbanismo e arte popular brasileira, mantendo vivo o pensamento e obra do casal no cenário cultural brasileiro.

Sobre Estudio Campana

Fundado em São Paulo, pelos irmãos Fernando (1961) e Humberto Campana (1953), o Estudio Campana, que em 2019 celebra seus 35 anos de trabalho, se tornou famoso pelo design de mobiliário, por criações de peças intrigantes – como as poltronas Vermelha e Favela – e, também, por ter ampliado nas áreas de Design de Interiores, Arquitetura, Paisagismo, Cenografia, Moda, entre outras. O trabalho dos Campana incorpora a ideia de transformação, reinvenção e integração do artesanato na produção em massa; tornando preciosos os materiais do dia-a-dia, pobres ou comuns, que carregam não só a criatividade em seu design, mas também características bem brasileiras – as cores, as misturas, o caos criativo e o triunfo de soluções simples. Empresas como Alessi, Baccarat, Bernardaud, Bisazza, Corsi Design, Edra, Fendi, Ghidini1961, H. Stern, Lasvit, Lacoste, Louis Vuitton, Melissa, Nodus, Skitch, Venini, Vibram, entre outros, produzem as ideias materializadas pela equipe do Estudio, que também assina sua própria linha de edições limitadas, numeradas e de peças únicas criadas, muitas vezes, em parceria com comunidades e ONGs. Essas edições especiais são representadas por galerias internacionais, incluindo Carpenters Workshop Gallery, Friedman Benda Gallery, Firma Casa e Giustini/Stagetti. As peças Campana fazem parte de coleções permanentes de renomadas instituições culturais como MoMa, em Nova Iorque; Centre Georges Pompidou e Musée Les Arts Décoratifs, em Paris; Vitra Design Museum, em Weil am Rhein; e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Os irmãos foram homenageados com o prêmio “Designer do Ano” pela Design Miami, em 2008 e os “Designers do Ano” pela Maison & Objet, em 2012. Neste mesmo ano, eles foram selecionados para o Prêmio Comité Colbert, em Paris; homenageados pela Design Week, em Pequim; receberam a “Ordem do Mérito Cultural”, em Brasília, e foram condecorados com a “Ordem de Artes e Letras” pelo Ministério da Cultura da França. Em 2013, eles foram listados pela revista Forbes entre as 100 personalidades brasileiras mais influentes. Em 2014 e 2015 a Wallpaper* os classificou, respectivamente, entre os 100 mais importantes e 200 maiores profissionais do design. Em 2018, a revista Interni lista os irmãos Campana entre os 100 arquitetos mais emblemáticos.

Sobre a Firma Casa

Inaugurada em 1994, nasce da paixão que Sonia Diniz Bernardini sempre teve por design e arte. A loja abriga um misto de design gallery e showroom, com o que há de melhor em mobiliário e objetos de decoração assinados. Aliás, esse é o conceito por trás do nome Firma Casa: oferecer peças assinadas, valorizando o design. Marcas como as internacionais Zanotta, Edra, Tom Dixon, David Weeks, Lema, Magis, Lasvit e Hillsideout entre outras, integram o portfólio da loja, além de valorizar o talento nacional como Irmãos Campana, Claudia Moreira Salles, Nada Se Leva, Simone Conte, entre outros.

Sobre Amazônia Móveis

Há mais de 35 anos no mercado de decoração, os móveis são projetos singulares que carregam em si, não tão somente o design e conforto, mas também brasilidade, sustentabilidade, inovação e bem-estar.  Com mão de obra especializada, os móveis são confeccionados em fibras naturais, sintéticas e madeiras, possibilitando um encontro com o primitivo da existência da empresa.

Escrito por
Mais de Eleone Prestes

Abup: artesanato e design aliados à indústria

O Projeto Célula promete chamar a atenção na próxima Abup, de 15...
Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *